06/03/2007

A energia eólica para Minde e Alcanena

Aquando das eleições para Câmara e Junta falou-se muito da possibilidade da implantação de um projecto para a criação de energia eólica na freguesia de Minde. Já antes algumas pessoas tinham abordado esta questão (penso que no portal minderico estão alguns comentários/artigos). Como é habitual nestas alturas, o assunto caiu rapidamente após as eleições.

Muito desconhecimento rodeia esta questão, o que foi evidente nos debates no cine-teatro de Minde. Todos os candidatos se referiram a isto, dado ser um assunto porreiro para se falar em eleições e porque não ficaria bem não mandar uns bitaites (este desconhecimento alargou-se a todo o público, aos candidatos e ao coordenador do debate; a única excepção terá sido o Ricardo Nogueira, do PCP, que está inserido em grupos ambientalistas).

No fim de contas, o assunto morreu porque parece que o PNSAC não deixa fazer-se nada.

É pena. Sinceramente desconheço se é assim. Fazia jeito termos um projecto destes aqui na zona. Por exemplo, na serra por cima da auto-estrada, nas antenas, dava um jeitão, até porque aquilo está tudo ardido e desertificado. Nem os bichinhos por lá andam...
Poderia perfeitamente estabelecer-se um protocolo com a empresa implementadora do projecto que a obrigasse a reflorestar aquela área.

Deixo aqui alguns números, para reflexão, acerca de parques de energia eólica em Portugal e em 2005:

- As empresas de energia eólica são obrigadas a pagar aos municípios em cujos terrenos instalem parques eólicos uma renda mensal de 2,5 % (valor anual) sobre o volume de negócios (podendo ser atribuída, no todo ou em parte, às freguesias)
- Fixação de renda obrigatória para os proprietários rurais (donos dos terrenos)
- Criação de emprego: 20/22 trabalhadores por MW instalado
- Receitas dos municípios (2005): 5 milhões euros
- Receitas dos proprietários(2005): 3,5 milhões de euros

Valerá a pena pensar nisto?


Pensar Minde

11 comentários:

O baterista disse...

A sociedade musical mindense manda um texto para o jornal de minde a anunciar o seu próximo concerto em março de 2007. No sáite da smmindense consta que a data é;

proxima actuaçao;

MINDE - 29 Outubro 2006
91º Aniversário da SMM

Ganda sáite sim senhor . é só informaçao actualizada .

Anónimo disse...

"Muitas câmaras municipais e juntas de freguesia vêm com bons olhos esta corrida aos bons ventos.

Os aerogeradores geralmente ocupam terrenos baldios, remotos e sem grande valor. A sua ocupação, no entanto, implica um pagamento de uma renda à comunidade, ou até a aquisição dos terrenos, no caso de serem privados. Não admira que haja uma forte especulação em torno destas propriedades, antes esquecidas no alto das montanhas e que, agora, são alvo de transacções valiosas.

O novo tarifário aprovado no ano passado vai mais adiante e estabelece o pagamento de 2,5 por cento das receitas dos parques eólicos aos próprios municípios onde estão instalados."

ecosfera.publico.pt/noticias/noticia528.asp

pm disse...

Também do programa do Governo, consta como grande prioridade os incentivos a estas novas tecnologias, como os aerogeradores.

O PNSAC parece que se opõe, mas não se opôs á passagem da auto-estrada e agora ao seu alargamento para seis faixas. Também não se opôe às 50 toneladas de resíduos industriais que estão depositados a céu aberto em Alcanena.

A CMA..., bem daí só podemos esperar o habitual: ver a banda passar !!!

pm disse...

Correcção ao comentário anterior:
Não são 50 toneladas, mas sim 50 mil toneladas de resíduos industriais.

Anónimo disse...

Está-se a esquecer de juntar às 50.000 toneladas, as toneladas de lixo que pesam os icas + o seu bafo pestilento que inunda o concelho desde Minde à Louriceira.

musicol disse...

meu caro BATERISTA SAID, por acaso nao eatara um pouco desfasado......

Se deseja comentar post comente mas daquilo a que eles dizem respeito.

Por outro lado escolha outro pseudomino!!!para nao levar as pessoas ao erro ,desejando passar-se por outra pessoa.....

O site da BANDA esta desatualizado e verdade ,mas desde ja informo que esse trabalho esta a ser ponderado com a colaboracçao do P.M. pois claro a DIRECÇAO MESTRO e MUSICOS se asim houver uma boa recpçao das partes intiressadas, condizente com a GRANDIOSIDADE desta INSTITUIÇAO.....

Nao deixando na certeza porem de louvar a iniciativa do musico NELSON ALMEIDA na iniciaçao deste referido site que por razoes que desconheço nâo teve o acompanhamento que fosse desejado.

Criticar e muito facil!!!!pelo menos critique mas de forma contrutiva , colabore dê ideias, mas que dai se tire algo de proveitoso.......Refugiar-se no anonimato e muito badelo não o dignifica em nada.....

Olhe faça-se socio e pague as cotas já é uma grande contribuiçao

Um MUSICO

Anónimo disse...

Senhores autarcas.

Leiam este posts, o comentário do PM e algumas (poucas) intervenções das oposições nos últimos anos.

Custa alguma coisa abrir o word, escrever um fax a algumas empresas de energia eólica, ao PNASC e outras entidades e colocar isto a mexer?

É que tentar não custa nada!

Vocês têm que se mexer, porque senão esta porcaria nunca mais anda para a frente. Ser autarca é mais que colocar "vistos" em pareceres de engenheiros técnicos, resolver problemas do dia-a-dia, mandar reparar calçadas, etc, etc.

Um verdadeiro autarca pensa no futuro, inova. Salta aquela linha que os outros não ousam saltar (não linha legal!). Traz inovação.

É disso que precisamos em Minde e Alcanena

Anónimo disse...

Eólica em Minde.
Há muito ruido, muito pouca exactidão em alguns do comentários e mais ainda falta de conhecimento sobre a matéria em causa. Primeiro, no que respeita a um Parqe Eólico na freguesia de Minde, há fortes possibilidades de num futuro muito próximo isso vir a acontecer, não nos locais descritos em "post" precedentes, mas sim num outro local, que agora pouca relevância tem em ser identificado. Mais, ao contrário do referenciado tem havido por parte das autarquias locais, e neste caso em particular do Municipio de Alcanena, bem como da Junta de freguesia de Minde um dialogo franco e aberto, que abre assim caminho ao promotor interessado a levar por diante todas as demarches necessárias à construção do dito empreendimento. Tal facto constitui per si um elemento fundamental na burucrática engrenagem que é o licenciamento de um parque Eólico. Em segundo, deve-se informar as pessoas, que por hábito tem um preconceito de que um parque eólico é uma "galinha dos ovos de ouro", de que as coisas estão longe de assim o ser. Poquê? Muito simples: porque sendo um investimento de milhões, tem o seu tempo de amortização, pelo que não se pense que quem investe num dia, recebe a dobrar na manhã seguinte. Não, não é assim; Por outro lado porque o Estado taxa ao promotor 2,5% da facturação do referido investimento, caso que não acontece em mais nenhuma actividade económica do nosso país, logo são menos 2,5% da facturação, logo são menos 2,5% de receita, logo são menos 2,5% de tempo de amortização, logo são menos 2,5% do negócio.
Por último o conceito de boa vizinhança, que também tem custos. Ou seja é costume aos promotores ser pedido que estabeleçam uma relação de boa vizinhança com as populações locais, uma vez que os investimentos tem uma duração prevista de 20 anos, cabe a estes por intermédio de que representa as populações estabelecer parcerias, protocolos, mecenatos, e toda uma panóplia de concertações afim de se assegurar essa mesma boa vizinhança.
Conclusão, um Parque Eólico em si é uma empreendimento benéfico, se for em Minde mais o é, no entanto e salvaguadando sempre o interesse das populações, de forma a que o investimento acima de tudo se contitua uma mais valia local, deve a Câmara e a Junta de contituir uma harmonia perfeita entre o promotor e as populações, e neste caso em concreto tem sido essa a situação encontrado pelo promotor, daí as mais profunda e optimista convicção de que a breve trecho haverá em Minde um investimento que gerará acima de tudo riqueza local.
Bem hajam.
LOOPER

Anónimo disse...

Pois, Minde tá safo com este investimento. Milhares de pessoas virão trabalhar nestas antenas. Vai ser a Suíça de Portugal.

Anónimo disse...

sem comentarios para o inutil do ultimo comentarista para nao lhe chamar outros nomes.........

pensar minde disse...

Meu caro Looper,

Comentários como o seu é que aqui se querem.

Para a zona de Minde o que é preciso são investimentos desses. E folgo em saber que a câmara e a junta se andam a mexer nesse sentido.

Sinceramente, espero que salvaguardem a terra, celebrando protocolos adequados com a empresa promotora.

Algumas questões:

O PNSAC não vai levantar problemas?

O que poderá a empresa promotora proporcionar a uma terra (além da criação de emprego, um rendimento fixo para a autarquia|freguesia e, a médioa prazo, quiça, energia mais barata)? Será possível colaborarem na prevenção de incêncios? Reflorestar certas áreas? Apoiar colectividades e actividades da freguesia?

Venha de lá esse parque, que só pode ser bom para Minde e respectiva população.

pensar Minde