14/07/2010

O fim da Escola de Minde

Não obstante todos os esforços da população de Minde, que na sua quase totalidade apoiou a luta para evitar a  extinção do Agrupamento de Escolas de Minde, parece que esses esforços estão perto de se tornar inglórios.

Com efeito, o DRELVT (direcção regional de educação), sustentada na posição favorável, no apoio e na força dada pela Câmara Municipal de Alcanena, forçou a criação de uma Comissão de Gestão Provisória dos Agrupamentos, a qual terá como tarefa proceder num ano à transição entre os 3 agrupamentos existentes e o novo mega-agrupamento de Alcanena. Isto foi feito sob pressão, à margem da lei, invocando-se leis inexistentes, despachos e instruções inexistentes e que nunca foram mostrados a ninguém.

Noutros concelhos, em que as respectivas Câmaras recusaram, não existiram agrupamentos verticais a ser extintos nem direcções escolares e conselhos gerais a cessarem funções de um dia para o outro.

Entretanto, o projecto para o Centro Escolar de Minde foi já suspenso com efeitos imediatos e, simultaneamente (se todos os projectos em Portugal andassem assim...), o Centro Escolar de Alcanena irá ser revisto e aumentado (já estava com um custo de € 2 milhões, contra € 200 mil do de Minde, sendo que a Dra. Asseiceira disse com testemunhas que isso não podia ser e que iria aumentar substancialmente o de Minde...). Na verdade,  a passada semana já estiveram empreiteiros na Escola Secundária de Alcanena, a projectar e orçamentar o custo de um aumento da capacidade das salas de aula e de outros equipamentos...

Esta mudança e extinção de agrupamento vai ter efeitos dramáticos na nossa terra. As Escolas de Minde provavelmente irão passar de um projecto educativo de sucesso para uma escola esquecida e com tendência à desertificação, ficando sujeitas aos mandos e desmandos de Alcanena. Voltaremos a ter alunos, professores, funcionários e pais de 2.ª categoria.

A isto tudo, respondeu a Dra. Fernanda Asseiceira com um apoio sem limites a esta medida, nem sequer cuidando de a fundamentar ou de a assumir. Da parte do vereador Luís Pires, para lá das palhaçadas do costume (desta vez apimentadas com umas quantas mentirolas...), nada se viu!

O Agrupamento de Escolas de Alcanena será a partir do próximo ano dirigido por uma estrutura constituída por um Presidente, um Vice-Presidente e 4 assessores, passando a existir um Coordenador de Escola em cada uma das escolas pertencentes ao agrupamento (só em Minde terão de existir 2 ou 3). Por aqui se vê que o objectivo desta medida não foi a racionalização humana ou económica (como se isso alguma vez fosse fundamento para uma coisa destas!).

A realidade a partir do próximo ano será o atendimento nas várias escolas de Minde serem recebidos por uma secretária, para remessa imediata para Alcanena, onde todas as questões, problemas e queixas serão processados. Está-se mesmo a ver que funcionará bem...

Começará agora uma verdadeira luta de trincheiras pelos responsáveis de Minde, que terão de lutar em todas as reuniões, em todos os projectos, todos os anos, para tentar adiar aquilo que muitos em Alcanena já prevêem: o esvaziamento progressivo e calculado das escolas de Minde.

Tal começará com a afectação de horas e turmas a Alcanena. Depois passará pela transferência de alunos para Alcanena de terras vizinhas. Aos poucos, a Dra. Asseiceira e outros responsáveis da Câmara e das Escolas de Alcanena conseguirão os sues intentos: que muita gente se pergunte, inclusivamente em Minde: mas afinal, para que é que serve ter uma escola em Minde…?

Lembrem-se desta previsão, que o dia, se alguns não o conseguirem impedir ou adiar, estará para breve.


Ps: Para a posteridade, fica aqui o link do relatório de avaliação externa às escolas de Minde, em Março deste ano, pela Inspecção Geral das Escolas. Os resultados falam por si! "Muito Bom" em todos os capítulos.


20 comentários:

Anónimo disse...

Nunca dois adjectivos foram tão bem aplicados ao Luis Pires.

Palhaço e Mentiroso.

Um do Novo Rumo disse...

Quem escolheu o Luis Pires para vereador foi o staff mindrico da Asseiceira, isto é, toda a direcção do caorg mais alguns membros do Novo Rumo. Houve até uma votação e ganhou o Pires.
Informo ainda que a direcção do agrupamento escolar de Minde apoiou em peso a Asseiceira para presidente da câmara.
Quanto a virmos a ficar sem a escola EB2.3 se isso acontecer deve-se justamente aos mindricos que não têm feito filhos e têm abalado de Minde para outras paragens. A diminuição do numero de alunos é evidente.

A.V.L. disse...

Pois, não percebo este comentário de quem assina "membro Novo Rumo". Além do Novo Rumo e da direcção das escolas, centenas de mindericos apoiaram a Asseiceira...

E daí?!

Se forem agora perguntar ao Novo Rumo (e a 99% dos mindericos), nenhum deles concordará com isto. E, provavelmente, nenhum deles votaria na Asseiceira se as eleições fossem este mês.

Ou você acha que por alguém apoiar outra pessoa numas eleições, a partir daí, se essa pessoa a mandar comer merda, quem a apoiou vai ter de comer?!

ps: Espero é que isto que se passou, que poderia ter sido evitado pela Câmara, seja relembrado nas próximas eleições.

Ps II: Vir invocar agora que a culpa disto tudo é de mindericos que não fazem filhos ou de outros (esse n.º tão expressivo...) que vão viver para fora é das maiores alarvidades intelectuais que tenho visto nos últimos anos.
Ao pé disto, os comentários do Pardal na reunião da assembleia de freguesia até parecem ideias coerentes...

Anónimo disse...

O que tu queres é continuar com o tacho sem dares aulas.

Anónimo disse...

cum caraças, é cada idiota...

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

A junta de freguesia de minde, a assembleia de freguesia de minde, o executivo camarario e a asembleia municipal deviam votar proposta contra a posição do ministério e da Asseiceira.

Anónimo disse...

Deves ter estado de férias.
A junta é contra a aessembleia de freguesia (na casa do Povo) é contra, a Assembleia Municipal (com os votos do PS) é contra.

A unica que é a favor á a Fernanda Asseiceira e seus acólitos. Pires, Caorg e mais alguns.

Anónimo disse...

Falta a camara municipal votar. Algum vereador vai apresentar proposta especifica?

Anónimo disse...

O Caorg também apoia isto?!!

Porque razão?!!!!

Anónimo disse...

Porque razão ?

Mistério.

Anónimo disse...

A direção das escolas devia fazer um comunicado a explicar todas as coisas que tem feito para inverter a situação. Deveria também mostar preto no branco, quais foram as votações nos diferentes organismos eleitos pelo povo.
Devia dizer quantas assinaturas conseguiu do povo e dizer o que fizeram com elas.
Esta posição do CAORG devia ser esclarecida.
Haja alguém que amanhã explique o que se passou na reunião de câmara e se houve votação, caralho!

Anónimo disse...

ó animal sê educado,os intereses são mt...
E mais não explico é só jogo escondido,

Anónimo disse...

ó xefe do blog se queres que escrevam e opinão publica as coisas não as excluas

Anónimo disse...

Quais os principais problemas que identifica no seu concelho?
Os problemas estão há muito diagnosticados por todos. Tem faltado ao nível da gestão autárquica uma definição clara das prioridades e a determinação para a concretização dos projectos estruturantes. São também os problemas directamente associados a esses projectos que destaco: a falta de diversificação do tecido industrial tem arrastado o município para a estagnação económica. Há mais de dez anos que estão identificadas, num documento estratégico do concelho, as potencialidades do nó junto à A1. Passados estes anos todos, assistimos à dinâmica no concelho vizinho de Torres Novas e tudo parado no concelho de Alcanena. Este facto, aliado aos constrangimentos gerados por um Plano Director Municipal que não tem sido favorável ao desenvolvimento, tem sido fatal.
O actual PDM não representa a realidade do concelho nem a dinâmica territorial que deve ser promovida. Temos casais jovens que gostariam de ter ficado a viver nas respectivas freguesias e passaram a residir fora do concelho.
Ao nível ambiental temos um problema que é conhecido a nível nacional, tendo chegado já à Assembleia da República, através da forma de petição, discussão na qual participei em nome do Partido Socialista. Tenho acompanhado a situação de muito perto e estou muito atenta à sua evolução.
Os problemas que se sucedem com a gestão corrente do dia-a-dia e a falta de rigor orçamental têm outra dimensão, mas não são menos importantes, por isso merecem uma avaliação que não se enquadra neste espaço.
Ao longo dos anos tem-se instalado algum desencanto na população, que gostaria de ver o concelho agir e a interagir de outra forma.

Anónimo disse...

Quais são as principais prioridades que tenciona colocar no seu Programa Eleitoral?
A resolução do problema ambiental que tem representado o (des)fun­cio­na­men­to da ETAR, causando graves problemas no leito do Rio Alviela, mas também escorrências e infiltrações no solo para além dos cheiros desagradáveis que ocorrem sobretudo durante a noite. Tem sido uma situação que se tem arrastado sem solução à vista ao longo dos anos. Sendo grave do ponto de vista ambiental, é também uma importante questão de saúde pública. Comprometo-me a dar continuidade e a cumprir, com prazos, o assumido no protocolo que está em vias de ser assinado.
É também uma prioridade o desenvolvimento económico associado ao planeamento e ordenamento territorial. Recordo o já afirmado na campanha em 2005. Queremos colocar Alcanena no centro do país, às portas da Europa. A proximidade do concelho ao nó da A1 com a A23 e a referenciação da área no PROT LVT como a Porta Norte de Lisboa são elementos estruturantes para o desenvolvimento de uma área empresarial com enquadramento intermunicipal. Será um dos principais projectos a concretizar.
Também numa perspectiva intermunicipal, a dinamização do norte do concelho, mais propriamente a freguesia de Minde em particular e o concelho em geral, quer em termos empresariais como turísticos, potencializando a grande proximidade à freguesia de Fátima.
Continuo a considerar fundamental o planeamento e ordenamento do território também ao nível das unidades industriais já existentes. Apesar das dificuldades sentidas, os sectores do calçado e têxtil, continuam a dominar a actividade industrial no concelho e por isso terão localmente como principal aliado a própria Câmara Municipal.
Na perspectiva do ordenamento e planeamento territorial, um Plano Director Municipal, que seja ele próprio, dinamizador do crescimento e do desenvolvimento local, permitindo a instalação das famílias e das empresas, promovendo a reabilitação urbana e dinamizando redes económicas, educativas/formativas, sociais, culturais e turísticas.
A dinâmica social está em crescendo, nomeadamente com a celebração de novos acordos de cooperação com a Segurança Social com novas instituições, que temos acompanhado e apoiado. Também as IPSS já existentes se afirmam cada vez mais, procurando novas valências. É esta a nossa orientação no sentido de apoiar e reforçar a rede social do concelho com mais respostas sociais e com melhores condições na prestação dos serviços às famílias: creches, apoio domiciliário, cuidados continuados.
O reordenamento da rede escolar será uma realidade. Assumirei a descentralização de competências na área da educação, criando condições para garantir no concelho instalações e equipamentos para uma escola pública de qualidade.
O desenvolvimento do turismo valorizando equipamentos e a própria localização em relação ao Parque Natural Serra D’Aire e Candeeiros.
Tenho acompanhado com particular preocupação também a questão da segurança no concelho. Continuarei a defender e a lutar por um equipamento que dignifique a GNR do concelho e que contribua para elevar os índices de segurança.
TUDO ISTO A NOSSA PRESIDENTA DISSE

Anónimo disse...

Acho lamentável virem para aqui dizer que a direcção do agrupamento apoiou em peso a Asseiceira. A direcção recebeu, na campanha eleitoral, todos os partidos e grupos que solicitaram esclarecimentos e compareceu nos jantares para os quais teve convite. E a partir daí, ponto final.Tudo o que se diz é pura especulação!Aproveita-se para esclarecer tb que a direcção não recolheu qualquer assinatura. Que eu saiba e visse, as mesmas partiram da Assembleia de JFM. Portanto, é mais sério não fazer afirmações sem fundamento.

Anónimo disse...

já é dia 28 já la mora aguenta-te.
estão com inveja?

Anónimo disse...

já é dia 28 já la mora aguenta-te.
estão com inveja?

Anónimo disse...

todo o povo deverá comparecer nos paços do concelho no dia 2 de setembro não falte. passai a palavra a todo o povo. "povo, povo porque lavas no rio" para os socialistas o povo é quem mais ordena. precisamos de ti passa a palavra, ao povo o que é do povo - a educação.vamos comparecer com os nossos filhos. a todos os que escrevam neste blog peço respeito por todos e pelas opiniões - não axinquilhem isto é um assunto sério para as presentes e futuras gerações. respeitai com os vosso comentário. povo para a rua já e em força- obrigado.